Fotografias Fine Art de Lalo de Almeida

Lalo de Almeida estudou fotografia no Instituto Europeo di Design em Milão na Itália. Ingressou no fotojornalismo trabalhando em pequenas agências de Milão. Ainda na Itália, trabalhou para agência Grazia Neri, onde cobriu assuntos nacionais e internacionais como a guerra na Bósnia. De volta para o Brasil trabalhou no jornal Estado de S. Paulo, revista Veja e durante dezesseis anos trabalhou no jornal Folha de S. Paulo. Paralelo ao trabalho na área jornalística desenvolve trabalhos de fotografia documental como projeto O Homem e a Terra sobre as populações tradicionais brasileiras, que recebeu o Prêmio Máximo da I Bienal Internacional de Fotografia de Curitiba em 1996, nesse mesmo ano ganhou o Grande Prêmio Folha de Jornalismo em São Paulo.

Foi o autor das fotografias do livro Nas Asas do Correio Aéreo lançado em 2002, trabalho que também foi finalista do Prêmio da Fundação Conrado Wessel. Em 2003 foi indicado ao Internationaler Preis Fur Jungen Bildjournalismus na Alemanha. E ganhou o Prêmio Fundação Conrado Wessel em 2007. Em 2012, ganhou o XII Prêmio Marc Ferrez da Fundação Nacional das Artes para realizar um projeto sobre os impactos sociais causados pela construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte no rio Xingu. Esse trabalho, que resultou em um projeto multimídia chamado A Batalha de Belo Monte, ganhou vários prêmios nacionais e internacionais. Durante o ano de 2014 ganhou mais uma vez o Prêmio Conrado Wessel, e também os Prêmios Folha de Jornalismo, o Grande Prêmio José Alencar de Jornalismo e o Prêmio SIP (Sociedad Interamericana de Prensa) na categoria Multimidia.

Atualmente, além de colaborar regularmente nas áreas de fotografia e vídeo com o jornal Folha de S. Paulo, fotografa para o The New York Times, desenvolvendo trabalhos para o jornal norte-americano no Brasil e na América do Sul.